segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Atlético sai em desvantagem na decisão e terá de vencer em Porto Alegre




por Priscila Oliveira

O Atlético foi vencido por 3 a 1 pelo grêmio, na quarta-feira, 23 de novembro, no Mineirão. Foi o primeiro jogo da final da Copa do Brasil.

Antes do jogo a festa foi bonita e o respeito entre as duas torcidas, chamou a atenção. Da parte da Massa: Rua de fogo, mosaico e canto, mas em campo o time não correspondeu às expectativas, aí vieram até vaias de alguns e as coisas pareceram fora do eixo.  Cazares irreconhecível, foi quem iniciou a impaciência de parte do povo que logo no 1° tempo.

Não vi o Atlético, no todo, muito pior que o Grêmio, na etapa inicial, a ponto de sair vaiado. Vi que o time, que já não estava bem, e que sentiu os torcedores impacientes.  E, voltou mal para o 2° tempo.

O que eu entendo é que na hora que o time está mal é que a Massa deve ir junto. Levantar a moral do time e não jogar terra em cima. Casa cheia, final de Copa, atualize-se! O Atlético não vai jogar todos os jogos bem, nem todos os adversários são ruins. O adversário se deu bem a proposta de marcação e contra-ataque. E, mesmo com tudo isso, quase deu ao menos para sair com o empate.

Aos 26 minutos da etapa final, as entradas de Marcos Rocha no lugar do Júnior Urso, que esteve apático; e do Hyuri no lugar de Maicosuel, melhoraram as ações do Galo. Aos 36 minutos, depois da cobrança de escanteio do sempre bom, Fábio Santos, Gabriel chutou de primeira para o gol e fez o único gol do Atlético. Gabriel que fez uma grande partida e não tece culpa nos gols sofridos. A partir daí, foi pressão alvinegra total. Mas veio o terceiro golpe do adversário. Uma fatalidade sem tamanho e fim de papo Atlético 1 x 3. Resultado que deu voz aos cornetas alvinegros e uma ducha de água fria aos que acreditavam, acima de tudo. 

O carrasco da vez, o próprio técnico atleticano. Sobrou pra Marcelo! Foi engraçado ver torcedores que tanto o pediram, querer cabeça dele. E, olha, depois que Marcelo se vestiu de azul foi difícil aceitar a sua volta. Agora, chega a ser engraçado ver quem pediu pra ele vir, querer que ele saia... Enfim... Não o queria no momento em que veio, e não queria que fosse demitido agora, com chance sim de título e pela história dele no Clube. Como o técnico mesmo disso, foram seis meses de trabalho, inúmeras lesões, desequilíbrio no grupo e mesmo assim disputou dois títulos... Vamos dividir essa culpa, né gente!? Lamentável a sua saída do Marcelo dessa forma, mas segue o jogo.

O técnico interino Diogo Giacomini conduzirá o time em Porto Alegre. O comando mesmo no futebol vem de cima e se esse cara não for inteligente, convicto de suas atitudes, pode trazer o Guardiola que nada acontece... Já pensou se Kalil tivesse ouvido os cornetas e não tivesse trazido Cuca, R10, Jô entre outros...

Voltemos à final da Copa...  Placar muito comemorado como título pelo tricolor gaúcho no Mineirão. Mas, nós vimos a mesma “dancinha” nas quartas e na semifinal da Copa de 2014. E, por aqui, o raio costuma cair duas vezes... Ainda não acabou!

Fácil mesmo pro Atlético só a final da Copa BR de 14. No mais, o cenários que estamos acostumados: a luta, a raça e fazer dois gols pra poder sonhar. Eu vou junto! Eu sonho! Falta1! #EuAcredito #VamuGalo

Saudações Atleticanas!!!

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Atlético empata com time paulista



por Priscila Oliveira

O Atlético empatou em 1 a 1 com o palmeiras, na quinta-feira, 17 de novembro, no estádio Independência. A partida foi válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o empate e 61 pontos, o Alvinegro segue em 4°lugar.

O time atleticano, com o apoio da Massa, foi melhor no jogo e poderia ter saído com a vitória. O Atlético desde o início pressionou o palmeiras. Se, de fora do estádio a paz reinou entre as torcida, dentro os nervos estavam à flor da pele. Logo no primeiro tempo, os jogadores discutiram, teve empurra-empurra e, do lado do Galo, sobrou para Leandro Donizete que levou cartão amarelo. Numa fatalidade, o Grêmio abriu o placar aos 26 minutos com o tal do Gabriel.

O Alvinegro seguiu melhor e o empate veio aos 14 minutos do 2°tempo, no primeiro toque na bola de Lucas Pratto, que havia acabado de entrar. Robinho mandou a bola para a área, Pratto se antecipou o marcador e mandou para o gol. A torcida foi à loucura e o atacante ovacionado pelo toque sutil na bola, que resultou no empate. Atlético 1 a 1. Antes da partida, Lucas Pratto recebeu placa do presidente Nepomuceno em homenagem aos 100 jogos com a camisa alvinegra. Vida longa, argentino!

O Galo manteve o ritmo ofensivo, mas faltou sorte para fazer o gol da vitória. Independente do resultado, foi uma grande partida do Atlético e que motiva a Massa para a decisão da Copa do Brasil. 

O volante general Leandro Donizete resumiu bem o que o atleticano espera. “Um elenco desse tem que conquistar alguma coisa no ano, não tem como. Nossa briga é na Copa do Brasil. Temos chances de ser campeões na Copa do Brasil. Vamos arrumar mais o time, que jogou bem posicionado, demos poucas chances para o adversário. Então, vamos treinar bem para buscar a Copa do Brasil”. #UnidosPeloGalo #VamuGalo

Saudações Atleticanas!!!

Foto: Site oficial do Atlético

domingo, 6 de novembro de 2016

Galo perde em Curitiba e segue em 4º no Brasileiro

Em seu primeiro desafio depois de se tornar um dos finalistas da Copa do Brasil, o Atlético enfrentou o Coritiba na noite deste domingo, no estádio Couto Pereira, em Curitiba, e acabou perdendo por 2 a 0. Com o resultado na capital paranaense, o Galo se manteve com 60 pontos, em 4º lugar no Campeonato Brasileiro.
Na próxima rodada do Brasileirão, o adversário será o líder Palmeiras, dia 17/11 (quinta-feira), em Belo Horizonte.

O JOGO
O time da casa teve a primeira chance em cobrança de falta pela esquerda e o cabeceio do zagueiro Walisson Maia foi para fora. O Atlético respondeu no cruzamento rasteiro de Otero pela esquerda, cortado pela zaga paranaense.
Após lançamento de Otero para a grande área e corte parcial da defesa do Coritiba, Lucas Pratto pegou a sobra de bola na entrada da área e finalizou por cima do gol. Em seguida, Luan avançou pela direita, cruzou com muita força e a bola saiu pela linha de fundo.

Em outra tentativa atleticana, Lucas Pratto arriscou de fora da área e a bola explodiu no zagueiro. A equipe de Curitiba ameaçou no arremate de Kléber, defendido por Victor.

Aos 21 minutos, Luan ganhou a jogada pela direita e cruzou par o corte do zagueiro. No minuto seguinte, Lucas Pratto e Fábio Santos fizeram grande tabela na grande área, mas o argentino foi travado por Amaral na hora da finalização. Victor fez grande defesa no canto esquerdo, aos 28 minutos, na boa cobrança de falta de González. Aos 34, Victor defendeu mais uma conclusão de Kléber.

SEGUNDO TEMPO
O Atlético voltou para a etapa final com a mesma formação e foi ao ataque pela primeira vez em boa trama envolvendo Lucas Pratto e Leandro Donizete, mas a defesa paranaense interceptou a jogada antes que a bola encontrasse Cazares na grande área.

Aos sete minutos, Raphael Veiga chutou de longe e abriu o placar para o Coritiba. O Galo tentou o empate logo no minuto seguinte e a zaga do Coritiba cortou o cruzamento de Cazares pela esquerda.

O Atlético teve boa chance aos 12 minutos, quando Patric chutou de fora da área e exigiu boa defesa do goleiro Wilson. O técnico Marcelo Oliveira promoveu a primeira mudança no time aos 15 minutos, substituindo Luan por Robinho. Logo depois, Cazares finalizou para a defesa de Wilson e, no rebote, Robinho chutou em cima da zaga.

Cazares e Robinho tentaram romper a defesa om tabela pelo meio, mas o zagueiro afastou o perigo na entrada da área. Aos 22 minutos, após lance pela direita do ataque paranaense, Kazim acertou o travessão. Aos 23, Maicosuel entrou no lugar de Cazares. Robinho recebeu passe de Maicosuel, aos 26 minutos, e arriscou de fora da área, sobre o gol. Três minutos depois, Fred entrou no lugar de Otero.

Leandro Donizete chutou de fora da área, aos 36 minutos, e a bola desviou na zaga, saindo pela linha de fundo. Robinho cobrou o escanteio fechado e o goleiro Wilson tirou de soco.
Aos 43 minutos, Lucas Pratto tentou ajeitar de cabeça para Fred e a bola ficou mais para o goleiro. Aos 46, o árbitro marcou pênalti de Patric em Kazim, Kléber cobrou e fez o segundo gol do Coritiba, dando números finais ao jogo.

Fonte: Site oficial do Atlético


quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Atlético está na final da Copa do Brasil


por Priscila Oliveira

O Atlético empatou em 2 a 2 com o inter nesta quarta-feira, 02 de novembro, no Independência lotado. Em uma semifinal digna de Copa do Brasil, o Atlético foi melhor nos dois jogos e está na final, pela segunda vez na história. A classificação veio pelo placar construído no primeiro jogo, 2 a 1 (no placar agregado, 4 a 3). O adversário do Galo na finalíssima será o Grêmio, que eliminou o yale.

O problema do Atlético é ter a vantagem no placar. Por vezes, não sabe o que fazer com ela. Aí, o saci que fingiu que não estava nem aí pra Copa, quis tomar a decisão pra si. O inter marcou o Atlético com inteligência e, eficiente no ataque, fez o primeiro gol aos 27 minutos. Aos 45, Lucas Pratto deu passe para Robinho bater cruzado e empatar o jogo. Aos 48, Anderson aproveitou o vacilo de Erazo no recuo para Victor e fez o segundo do colorado.

Aí, pronto! Modo Atlético ativado e tudo certo. É que o ataque do Galo tem sido melhor que a defesa este ano e corresponde quando exigido. Nessas horas, o craque aparece. O nome do Galo na Copa em sido Lucas Pratto, que foi decisivo também nesta partida. Ele deu passe para o gol de Robinho e, ainda, fez o dele. Foi o centésimo jogo do argentino com a camisa preta e branca, que já é o maior artilheiro estrangeiro da história do Galo.

Os jogadores atleticanos voltaram para a etapa final mais focados. Aos 15 minutos do 2° tempo, Leandro Donizete passou pela defesa, conduziu e tocou para Robinho que passou para Lucas Pratto dominar bonito e fazer o gol do empate. Atlético 2 a 2. Gol da classificação pela Massa e pelo Victor.

Foi mais um grande e emocionante jogo, onde o inter valorizou demais a vitória classificação atleticana. Será a sexta final de Copa do Brasil seguida de Marcelo Oliveira. Festa linda no Horto com mosaico e apoio da Massa do início ao fim. Atmosfera que contagia o time, sem dúvidas. Os jogos das finais serão nos dias 23 e 30 de novembro. #VamuGalo

Saudações Atleticanas!!!

Foto: Site oficial do Atlético

domingo, 30 de outubro de 2016

Com gol anulado, Atlético fica no empate com o urubu




por Priscila Oliveira

O Atlético empatou em 2 a 2 com o urubu na tarde de sábado, 29 de outubro. A partida foi valores pela 33 rodada do Campeonato Brasileiro. Com o empate, o Alvinegro chegou aos 60 pontos, em 4°lugar.

Como em todo clássico desses, o árbitro "errou" em lance capital, beneficiando o time carioca. Interessante é que nunca acontece o contrário. Mas nem assim, conseguiram sair com a vitória.

O adversário achou um gol num 1° tempo apático do Galo. Na etapa final o Atlético melhorou e aos 22 minutos, em um cruzamento de Carlos César, Fred chutou rasteiro para fazer o gol. O bandeira assinalou impedimento inexistente. Vergonha!!!

Aos 36 minutos, numa jogada perigosa do ataque atleticano, Rever, ex-Galo, derruba Fred na área. Incrivelmente, o pênalti é assinado pelo árbitro. Porque conta o time carioca, você já viu né?! Robinho foi para a cobrança e deixou tudo igual. Atlético 1 a 1. Aí, valeu!



Mais seis minutos o Alvinegro virou o placar. Robinho deu um passe perfeito para Lucas Pratto, na área. O argentino driblou o guerreiro o mandou para o fundo do gol. Atlético 2 a 1.

A torcida, que já estava insana, foi à loucura na arquibancada. Alegria deu lugar à euforia sufocada. A trave traiu Victor e o adversário empatou o jogo, aos 44 minutos.

Como sempre o Atlético teve que lutar muito e quando construiu a vitória merecida, apesar da safadeza da arbitragem, veio novamente o empate e não houve tempo pra mais nada.

O título ficou um pouco mais difícil. Mas, há chance a depender de uma série de fatores e, como se trata de Galo, tudo é possível. #VamuGalo

Saudações Atleticana!!!

Foto: Site oficial do Atlético

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Atlético vence inter e sai na frente na luta pela final da Copa



por Priscila Oliveira

O Atlético venceu por 2 a 1 o inter, nessa quarta-feira, 26 de outubro, em noite chuvosa no Beira Rio. Foi a primeira partida da semifinal da Copa do Brasil. Grande vitória fora de casa e no jogo de volta, o Alvinegro poderá até perder por 1 a 0 que se classifica para a final.

1° tempo de Lucas Pratto, com grandes jogadas, 2° tempo de Victor, com defesas sensacionais. Com três minutos de jogo, Pratto insistiu numa jogada pela direita, foi à linha de fundo, cruzou e a bola bateu no zagueiro, cruzou novamente e achou Otero, que achou o gol. Atlético 1 a 0.




Num pênalti inexistente, na etapa final, o saci empatou. Antes disso, o colorado tentou de tudo quanto é jeito fazer o gol. Ora parou em Victor, ora nos próprios erros. Na luta contra o rebaixamento na outra competição, a perna pesa também, amigo.

Foi da última substituição de Marcelo que veio a vitória. Cazares entrou mais tarde que deveria, mas decidiu no tempo que tinha. O segundo gol foi desenhado por ele. Aos 41 minutos do 2º tempo, Cazares dominou e iniciou o contra-ataque no meio de campo, enquanto avançava, viu que tinha Pratto na esquerda, mas optou por Luan na direita. Com o ângulo fechado por zagueiro e goleiro, Luan, que de maluco tem só o apelido, tocou para o argentino fazer o gol da vitória. Atlético 2 a 1. Linda jogada e gol coletivo.


Grande vitória na eficiência dos craques do time. Atlético conseguiu uma boa vantagem, mas não tem nada ganho. Seguro e respeito "morreram de velho". Só jogar com seriedade e direitinho que classifica para a final.

O jogo de volta será na quarta-feira, no Horto. Antes, o Galo enfrenta o urubu no Mineirão lotado, pelo Campeonato Brasileiro. #VamuGalo

Saudações Atleticanas!!!



quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Pelas mãos de Victor, Atlético está na semifinal da Copa



Priscila Oliveira

O Atlético venceu nos pênaltis por 4 a 2 o juventude, nesta quarta-feira, 19 de outubro, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, depois de perder por 1 a 0 no tempo normal. A partida foi a derradeira das quartas de final da Copa do Brasil. A vitória, suada, colocou o Alvinegro na semifinal da competição, onde o adversário será o Inter de Porto Alegre.

Não deu tempo nem de relaxar pós-dia de trabalho... Com 30 segundos, o juventude fez o gol e mostrou que venderia caro a classificação. E vendeu, mesmo. Soube marcar o time atleticano e contra-atacava com perigo. Não se sabe se foi pelo gol tão repentino, se foi pelo gramado pesado (que vale para os dois, que fique claro), se foi por causa da camisa branca (mas duvido, vencemos grandes jogos com ela), ou pela tensão vivida na última partida pelo Campeonato Brasileiro. O fato é que jogo do Alvinegro não encaixou contra o time de Caxias, mesmo com a posse de bola, mesmo com tantos cruzamentos certos, mesmo com Pratto e Robinho em grande fase. O Juventude que está na série C, que subiu pra B, e que abriu as asas depois de eliminar o SP, foi um adversário complicado. Mas, o Galo não é São Paulo. O Atlético quando realmente precisa é São Victor. Ele pode até ter falhado uma ou duas vezes nos últimos anos, mas quando tem que decidir não foge à luta.

Déjà vu quartas de final da Libertadores 2013 (só pra dar sorte). Mas, desta vez, outro roteiro para Victor com grandes defesas no tempo normal e mais duas defesas de pênaltis. Tanto se fala que o Alvinegro só vence no talento individual de seus craques, o que nem sempre é verdade, mas hoje foi. O Atlético se classificou no pelo "talento individual", pelas mãos e estrela de São Victor.

O roteiro atleticano que nunca muda é o da emoção. Minutos finais de jogo, o Galo fazendo as melhores jogadas de ataque e ficou o sabor do quase. Apito final... Tensão no ar... Classifica? Até a torcida adversária começa a gritar “Eu acredito” para ironizar a fé atleticana. Fez-se o feitiço! Toda torcida que ironiza o time alvinegro com este mantra sofre as consequências. Juventude desclassificado. Como dizem os filósofos do Twitter, o "Eu acredito" é um grito de fé e não de desespero. 

Nos pênaltis, Fábio Santos, Lucas Pratto, na cavadinha, alá Louco Abreu, Gabriel e Cazares converteram perfeitamente, enquanto o santo defendeu duas cobranças para colocar o Galo na semifinal. Haaaja coração! Só pelas boas cobranças de pênaltis, já é merecida a classificação.

O Galo passa para a próxima fase sob a desconfiança de alguns. Gente de pouca fé. Saibam que é futebol e cada jogo é uma história. Entendam que em um mata-mata, quando falta perna, a tradição entra em campo. E a camisa do Atletico também pesa para os outros. #VamuGalo

Saudações Atleticanas!!!

Foto: Site oficial do Atlético